Introdução

        As doenças sexualmente transmissíveis (DST) se caracterizam pelo alto índice de troca de parceiros sexuais, e seus agentes etiológicos têm como único reservatório o trato genital humano. Nas mulheres as chances de aparecimento e até mesmo agravamento das DST é maior.

       Sabe-se que doenças que causam úlceras genitais podem facilitar a transmissão dessas doenças, e o tratamento das mesmas deve ser com orientação médica, nunca por conta própria. Além disso, no caso de uma infecção o parceiro também deve se tratar.

        A AIDS, causada pelo vírus HIV compromete o funcionamento do sistema imunológico, deixando-o impossibilitado para defender o organismo de agressões externas e de células cancerígenas. Apesar de não ter cura a Síndrome da Imunodeficiência Adquirida pode ser evitada e se contraída pode ser tratada com um coquetel de remédios.

        Outra doença sexualmente transmissível é a Sífilis, que é causada por uma bactéria chamada Treponema pallidum, e se não for tratada de acordo se torna crônica e pode apresentar manifestações sistêmicas, ou seja, pode comprometer várias partes do corpo, como pode ser visto na figura abaixo.        

         

         A Gonorréia é uma uretrite causada pela bactéria Neisseria gonorrhea, que após passar o período de incubação causa uma secreção com dor para urinar. O tratamento se dá pelo uso de antibióticos, e a prevenção, assim como a das doenças já citadas, é a prática de sexo seguro e a escolha criteriosa dos parceiros.

Outra DST é a chamada HPV, causada pelo Human Papiloma Vírus, que vive na pele e nas mucosas genitais. Sua transmissão se dá pelo contato sexual e sua manifestação clínica é por uma forma microscópica, que surge no pênis, vagina e colo do útero, e por verrugas genitais que surgem na vagina, pênis e ânus, como as vistas nas figuras abaixo.